Lisboa

Nome Concelho
Quinta do Sanguinhal Bombarral
Quinta da Murta Loures
Quinta de Sant’Ana Mafra

A Região vitivinícola de Lisboa estende-se por uma faixa costeira longa que vai desde Cascais até Pombal, ou seja, cerca de 180 Km, para Norte, desde a região de Colares, uma das mais antigas e que resistiu à Filoxera por ter as suas vinhas plantadas quase todas em areia.

Carcavelos, generoso aperitivo, outro vinho de grande nomeada mas que, com muita dificuldade, tem resistido aos avanços do urbanismo. Era um dos preferidos de Wellington que tanto ajudou a nossa tropa a derrotar os exércitos de Napoleão, quando por três vezes nos invadiram no início do Sec. XIX.

O Bucelas é outro ex-libris cantado por Shakespeare, na peça dedicada a Henrique VI. Exclusivamente demarcada para brancos, de Arinto, estes fazem jus ao nome de Capital do Arinto atribuído a Bucelas, dada a sua excelência: frescos, harmoniosos, aromáticos e com uma mineralidade que faz deles acompanhantes ideais para refeições leves de frango, de peixe de rio ou, ainda, de mariscos.

Seguem-se Encostas d’Aire com os seus vinhos históricos, Torres, Alenquer, Óbidos, Arruda com vinhos encorpados e abertos de cor, por estarem as vinhas muito perto do mar. Na Lourinhã, ao lado de Peniche, e junto à costa, estão as vinhas cujas uvas dão os vinhos base para algumas das melhores aguardentes de Portugal. É por isso que a Lourinhã é a única região de Portugal exclusivamente demarcada para aguardente.

A principal característica da Região Lisboa é a diversidade da sua produção e a versatilidade com que estes vinhos se adaptam às iguarias com que são servidos.